FANDOM


Emblema dos Nômades do Ar

O Templo do Ar do Sul é um dos quatro templos originais pertencentes aos Nômades do Ar, localizados nas remotas Montanhas Patola, e um dos dois que alojaram exclusivamente o Nômades do Ar masculinos, o outro sendo o Templo do Ar do Norte.

Antes do genocídio dos Nômades do Ar, o templo aceitava peregrinos de outras nações, mas o templo só era acessível através de bisões voadores. Embora tenha permanecido desabitado ao longo da Guerra dos Cem Anos, o Templo do Ar do Sul foi restaurado para sua antiga glória, pouco depois do fim do conflito pelos Acólitos do Ar, que permaneceram para se instalar no terreno do templo para preservar a cultura do ar nômade através de suas muitas práticas.

História Editar

O Templo do Ar do Sul foi a casa de infância de Avatar Aang e a de seu mentor principal, o Monge Gyatso,[1] também foi o lar do Avatar Roku durante o tempo em que treinou para dominar a arte de Dobra de Ar.[2]

O templo foi atacado durante o genocídio dos Nômades do Ar pelo Senhor do Fogo Sozin, quando iniciou a Guerra dos Cem Anos. O único sobrevivente conhecido do massacre foi a mesma pessoa que a Nação do Fogo tentou matar em sua busca pela supremacia: aos 12 anos de idade, Mestre do Ar e Avatar, Aang, que escapou do Templo do Ar do Sul, pouco antes que a guerra começasse e foi mantido em animação suspensa em um iceberg, até seu retorno um século depois.[3]

O templo foi visitado por Aang, com seus amigos Katara e Sokka no final da 99 DG. Lá, ele encontrou um Lêmure voador, que ele chamou de Momo. Uma vez lá, Aang descobre o destino do Templo do Ar e seu povo, incluindo Gyatso, fazendo com que ele percebesse que todos os Nômades do Ar foram eliminados e que ele, Appa e Momo eram tudo o que restava de sua cultura.[1]

Em 171 DG, Tenzin planejava visitar o Templo do Sul com sua família e o Avatar, desejando passar mais tempo com a família e esperando aprofundar a conexão espiritual de Korra. Os planos mudaram, no entanto, e Korra não acompanhou a família ao templo da casa de Aang. Assim que Oogi pousou no chão do templo, a família foi saudada por uma delegação de Acólitos do Ar liderada pelo Abade Shung. Bumi e Kya, que acompanharam a família, também foram saudados com reverência por uma acólita, já que acreditava que eles também eram Dobradores de ar. Ela prontamente se desculpou pelo mal-entendido e deixou os irmãos para continuar seu trabalho.

Logo após sua chegada, Tenzin e seus filhos visitaram a sala das estátuas localizada dentro do santuário. Ikki e Meelo se ocuparam com uma corrida de patinete aéreeo pelo santuário, em vez de ouvir a palestra de seu pai. Eles colidiram com uma estátua, no entanto, fazendo com que Tenzin deixasse Jinora, que encontrou a estátua de Aang entre as outras e se conectou a ela, semelhante à maneira como o avô dela estava conectado à de Roku. Naquela noite, Jinora acordou para revisitar a sala da estátua, onde encontrou a estátua representando Wan e Raava, seu design notavelmente diferente dos outros. Enquanto Jinora refletia sobre a identidade do Avatar que ele representava, a estátua de Wan começou a brilhar, concomitantemente com a abertura do portal espiritual do sul por Korra. [4]

DescriçãoEditar

Antes da Guerra dos Cem Anos, o templo era grande e pacífico, tinha uma arena de airbol e era o lugar onde Aang inventou o "patinete de ar". A enorme instalação possui um santuário no qual estátuas de Avatares passados ​​são organizadas para observância. O próprio templo serviu principalmente como um campo de treinamento para estudantes dobradores de ar e já foi habitado por bisões voadores e lêmures alados nos dias dos Nômades de Ar originais. Como resultado da construção para e pelos monges, várias portas e mecanismos são operáveis ​​apenas por meio de dobra de ar. Uma estátua do Monge Gyatso fica na entrada do templo. Ao contrário dos outros três templos originais, o Templo do Ar do Sul ostenta pináculos azuis, elaboradamente decorados, em vez de pináculos verdes e simples que adornam os outros.[1]

Em 171 DG, o templo havia sido restaurado à sua antiga glória pelos Acolitos do Ar, liderados pelo Abade Shung, que fez residência no terreno do templo com Acólitos masculinos e femininos vivendo juntos. Novas estruturas foram adicionadas para facilitar os novos habitantes e ostentava uma próspera população de lêmures de asas aneladas, semelhantes aos que haviam habitado o templo antes do genocídio. A sala da estátua também foi restaurada e atualizada para incluir uma estátua de Avatar Aang.[4]

Habitantes conhecidos Editar

ReferênciasEditar

  1. 1,0 1,1 1,2 O Templo de Ar do Sul. Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 1. Episódio 3. (25 de fevereiro de 2005). Nickelodeon. Michael Dante DiMartino (roteirista) & Lauren MacMullan (diretor).
  2. O Avatar e o Senhor do Fogo. Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 3. Episódio 6. Nickelodeon. (26 de outubro de 2007). Elizabeth Welch Ehasz (roteirista) & Ethan Spaulding (diretor).
  3. A Tempestade. Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 1. Episódio 12. Nickelodeon. (3 de junho de 2005). Aaron Ehasz (roteirista) & Lauren MacMullan (diretor).
  4. 4,0 4,1 As Luzes do Sul. A Lenda de Korra. Temporada 1. Episódio 14. Nickelodeon. (13 de setembro de 2013). Joshua Hamilton (roteirista) & Ian Graham (diretor).

Veja tambémEditar

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.