FANDOM


Emblema do Reino da Terra


Suki é a mais velha das Guerreiras Kyoshi do Reino da Terra. Começou seu treinamento quando tinha oito anos de idade, Suki é respeitada pelas outras Guerreiras, pois é a líder. Quando o Avatar e os seus amigos chegaram na Ilha Kyoshi, Suki e algumas Guerreiras Kyoshi os capturaram, porém os libertaram quando descobriu que Aang era o Avatar. Ela formou um espécie de ligação com Sokka.

Inspirada por Aang, Katara e Sokka terem salvado a ilha do Príncipe Zuko, Suki e as outras Guerreiras Kyoshi saíram da ilha para ajudar o Reino da Terra a lutar contra a Nação do Fogo. Suki protegeu o bisão do Avatar, Appa de cair nas mãos inimigas, porém ela e as Guerreiras Kyoshi foram derrotadas e capturadas pela Princesa Azula, Mai e Ty Lee.

Prisioneira da Nação do Fogo, Suki foi colocada em uma cadeia de segurança máxima da Nação do Fogo, a Rocha Fervente. Foi uma ótima coincidência que Sokka e Zuko se infiltraram a prisão procurando Hakoda. Após escapar da prisão, Suki ajuda Aang e seus amigos a derrotar a Nação do Fogo, e depois se reúne com as Guerreiras Kyoshi.

HistóriaEditar

Primeiros anosEditar

Suki nasceu e cresceu na Ilha Kyoshi. Ela iniciou seu treinamento aos oito anos e se tornou mestre em tessenjutsu, a arte do combate com leques. Como ela era a Guerreira Kyoshi mais velha de sua aldeia, Suki estava encarregada de treinar as guerreiras mais jovens.

Conhecendo a Equipe Avatar Editar

Suki e suas companheiras Guerreiras Kyoshi capturaram Aang e seus amigos por se intrometerem na Ilha Kyoshi, supondo que fossem espiões da Nação do Fogo. Suki interrogou o grupo, ameaçando jogar Sokka para unagi depois que ele fez um comentário sexista sobre ter sido sequestrado por um "bando de garotas". Assim que souberam que Aang era o Avatar, ela e a aldeia rapidamente os aceitaram como convidados. Inicialmente ofendida pela atitude chauvinista de Sokka, ela retribuiu humilhando-o repetidamente no treinamento de combate. Mais tarde, ela até o instruiu a se vestir com trajes femininos completos de guerreira quando ele pediu para treinar com ela. Depois que ele humildemente admitiu seus erros e se desculpou por seu sexismo, ela acabou se sentindo atraída por ele durante as sessões de treinamento. Os dois se uniram em partidas de sparring e, antes de se separarem, ela beijou Sokka na bochecha, dizendo a ele que mesmo sendo uma guerreira, ela também era uma garota. Depois que Zuko atacou a vila em busca de Aang, Suki e as outras Guerreiras Kyoshi atacaram Zuko e seus homens para fornecer uma abertura para a Equipe Avatar escapar. Ela e as outras Guerreiras Kyoshi, inspiradas principalmente por Sokka, mais tarde partiram da ilha para lutar na Guerra dos Cem Anos contra a Nação do Fogo.

100 DG Editar

A Passagem da Serpente Editar

Suki e Sokka se reencontram

Suki fez Sokka lembrar quem ela era com um beijo.

Suki e as outras Guerreiras Kyoshi ajudaram os refugiados a caminho de Ba Sing Se. Eles decidiram não voltar para a Ilha Kyoshi e, na esperança de fazer a diferença na guerra, atuaram como guardas de segurança em um terminal de balsas escondido. Foi neste terminal que ela encontrou Aang, Katara e Sokka novamente. Suki se aproximou de Sokka, pedindo agressivamente para ver suas passagens e passaportes. Após uma troca acalorada, ela beijou Sokka, após ele lembrar quem ela era. Quando Aang decidiu escoltar um grupo de viajantes presos através da Passagem da Serpente, Suki os acompanhou para garantir que eles passassem com segurança, o que preocupava Sokka. Suki resgatou Toph em um ponto, salvando-a do afogamento. Toph começou a beijar Suki na bochecha, pensando que foi Sokka quem a salvou; quando Suki desajeitadamente revelou que era ela, a dobradora de terra, muito envergonhada, meio que brincando, disse a ela para apenas deixá-la se afogar. Foi durante a noite que seus sentimentos por Sokka ficaram mais claros, embora ele estivesse relutante em entrar em um relacionamento com ela devido à sua incapacidade de impedir a Princesa Yue de dar sua vida para salvar o Espírito da Lua durante o Cerco do Norte. Em um ponto durante a noite, Suki foi beijá-lo, mas Sokka estava relutante em fazê-lo sob a lua, pois isso o lembrava de Yue, e afastou Suki sem uma explicação. Antes de sua partida, ela se desculpou com ele, dizendo que tinha agido precipitadamente, mas Sokka a impediu e imediatamente compensou a noite anterior beijando-a de volta. Os dois começaram a namorar depois disso.

Encontrando Appa Editar

Suki e as Guerreiras Kyoshi

Suki e as Guerreiras Kyoshi defenderam Appa da equipe de Azula.

Mais tarde, ela e um grupo de Guerreiras Kyoshi encontraram Appa ferido, que tentava se reunir com Aang após ser sequestrado. Depois de acalmar o nervoso bisão voador, ela e as outras guerreiras cuidaram de Appa e o limparam. Ela se preparou para devolvê-lo a Aang; no entanto, ela foi confrontada por Azula, Mai e Ty Lee. As Guerreiras Kyoshi e a equipe de Azula travaram um duelo curto, durante o qual as guerreiras foram derrotadas apesar de terem a vantagem em números, e logo apenas Suki permaneceu de pé. Ela foi forçada a expulsar Appa com um galho em chamas para mantê-lo seguro antes de entrar em conflito com Azula. Ela foi finalmente derrotada, capturada e enviada para a Nação do Fogo como prisioneira, junto com o resto das Guerreiras Kyoshi. Depois que os guardas descobriram a identidade de Suki como a líder, ela foi enviada para a prisão de segurança máxima da Nação do Fogo, Rocha Fervente. Após a derrota das Guerreiras Kyoshi, Azula, Mai e Ty Lee se disfarçaram com seus uniformes para se infiltrar no palácio do Rei da Terra.

Fuga de Rocha Fervente Editar

Suki captura o diretor de Rocha Fervente

Suki capturou facilmente o diretor durante a fuga de Rocha Fervente.

Suki foi encontrada por Sokka, que inicialmente se esgueirou junto com Zuko na esperança de encontrar seu pai. Embora ela inicialmente o nocauteasse, pensando que ele era um guarda da Nação do Fogo devido à sua roupa, ela felizmente se reuniu com ele depois que ele revelou sua verdadeira identidade e declarou que ela, ao contrário das afirmações de Azula, nunca desistiu da esperança de resgate. Após uma estranha apresentação oficial com Zuko, durante a qual ele se desculpou por incendiar sua aldeia, Suki prontamente se juntou aos planos de fuga. Quando Sokka decidiu ficar para trás na esperança de encontrar seu pai, ela escolheu ficar para trás com ele, correndo o risco de ser presa novamente. Quando o grupo começou uma rebelião para cobrir sua fuga, Suki rapidamente capturou o diretor da prisão. Quando Azula e Ty Lee atacaram o grupo nas gôndolas da prisão, Suki se juntou a Sokka e Zuko no telhado de sua gôndola na tentativa de defendê-la. Chamando isso de "uma revanche que [ela estava] esperando", ela enfrentou Ty Lee em um duelo equilibrado. Quando o cabo que carregava sua gôndola estava prestes a ser cortado, Azula e Ty Lee recuaram, mas devido à intervenção de Mai, Suki e os outros conseguiram chegar com segurança à estação no final do cabo e escapar no dirigível de Azula para o Templo do Ar do Oeste.

Viajando com a Equipe Avatar Editar

Suki escolheu permanecer com o grupo principal da Nação do Fogo quando o ataque de Azula os separou. Quando Zuko foi à tenda de Sokka para perguntar sobre sua mãe, ele colidiu com Suki, que suspeitamente negou sua verdadeira intenção de ver Sokka e correu de volta para sua tenda. Quando Zuko entrou na tenda, era evidente que Sokka estava esperando para ter uma noite romântica com Suki, mas ficou surpreso e envergonhado ao ver Zuko. Depois que Zuko saiu da tenda, Sokka chamou Suki e, vendo que Zuko ainda estava lá, assobiou culpado para fazê-lo ir embora.

Suki mais tarde vestiu um disfarce da Nação do Fogo e acompanhou a Equipe Avatar para a peça, "O Garoto no Iceberg". Na peça, sua personagem foi retratada com mais precisão, embora alguns detalhes físicos, como seu capacete e seu físico, fossem um pouco exagerados. Durante a peça, ela trocou olhares com Sokka durante a cena em que eles praticaram usando as roupas de Guerreira Kyoshi e ficou com ciúmes quando Sokka a silenciou durante a cena em que Yue se tornou o Espírito da Lua. Ela se encolheu quando o ator que interpretava Toph gritou como uma forma de "ver", e quando Sokka desejou se esgueirar nos bastidores para ajudar o ator que o representava, Suki o ajudou, dizendo que seus anos de treinamento na arte da furtividade deveriam ajudar. Sokka mostrou suas piadas ao Sokka ator, o que fez com que Suki se batesse na cabeça em exasperação com seu humor pastelão. Ao contrário de seus pensamentos originais, no entanto, o Sokka ator achou as piadas engraçadas e as usou nas cenas seguintes. Suki chamou a peça de horrível e nunca mais se referiu a ela na série.

Cometa de Sozin Editar

Toph e Suki

Suki e Toph estavam genuinamente preocupadas com Aang durante a batalha na Floresta Wulong contra o Rei Fênix Ozai.

Três dias antes da chegada do Cometa de Sozin, Suki e o resto da Equipe Avatar deram uma festa na praia da Ilha Ember. Sokka criou uma escultura de areia bruta de Suki que não tinha nenhuma semelhança com ela, mas ela disse que achava que era doce da parte dele, resultando em ele a beijando. Quando Zuko informou ao grupo sobre o plano do Senhor do Fogo para destruir o Reino da Terra, Aang fugiu, e Suki ajudou na busca por ele. Quando eles não conseguiram encontrar Aang, Zuko os levou para o Reino da Terra, onde eles "contrataram" June para rastreá-lo com seu shirshu gigante, Nyla. Quando ela não conseguiu encontrar o Avatar, Zuko decidiu rastrear Iroh, levando o grupo a Ba Sing Se, onde foram abordados pela Ordem do Lótus Branco. Foi decidido que Suki, Sokka e Toph destruiriam a frota de dirigíveis. Sokka dirigiu um dirigível contra os outros, derrubando-os. No processo, Suki foi separada de seus amigos quando o dirigível se desfez embaixo deles. Ela insistiu que Sokka continuasse com a missão.

Suki dirige o dirigível

Suki conduziu um dirigível capturado para a embarcação em que Sokka e Toph estavam, salvando-os da morte certa.

Suki passou a manipular o leme do dirigível em que havia caído, assumindo o controle de toda a embarcação. Percebendo Toph e Sokka pendurados e indefesos em outro dirigível, ela salvou os dois dirigindo seu dirigível capturado para a outra embarcação. Depois que Aang removeu a dobra de fogo de Ozai, o grupo reunido pousou o dirigível capturado e começou a insultar o tirano caído. Suki também fez uma tentativa idiota de fazê-lo, ganhando as críticas de Toph sobre ela, "Deixe os apelidos conosco, querida."

Depois que Zuko foi coroado Senhor do Fogo e oficialmente encerrou a guerra, Suki finalmente se reuniu com sua equipe de guerreiras, que foram libertadas da prisão junto com Mai e Ty Lee. Depois de descobrir como sua equipe se relacionou bem com Ty Lee na prisão, Suki permitiu que ela se juntasse a elas. Mais tarde, toda a turma estava relaxando na casa de chá do Iroh em Ba Sing Se, onde Suki brincava de Pai Sho com Mai. Mais tarde, ela provocou Sokka por seu desenho imperfeito do grupo, que representava Suki dobrando o fogo.

101 DG Editar

Um ano após o fim da Guerra dos Cem Anos, Mai pediu a Suki e ao resto das Guerreiras Kyoshi que protegessem o Palácio Real da Nação do Fogo após uma tentativa fracassada de assassinar o Senhor do Fogo Zuko por Kori. Na primeira noite em que estavam montando guarda, Zuko acordou no meio da noite e saiu. Suki disse a ele que havia estado quieto a noite toda, ao que Zuko se desculpou dizendo que confiava nas Guerreiras Kyoshi, pois elas eram as melhores guardas do mundo. Suki sugeriu que ele voltasse a dormir, porém, quando Zuko disse que iria beber água, ela perguntou se precisava de alguém para escoltá-lo, o que o Senhor do Fogo rejeitou para visitar seu pai na prisão.

Por preocupação, Suki mais tarde secretamente seguiu Zuko em uma de suas viagens noturnas para ver o que ele estava fazendo e saber se as Guerreiras Kyoshi poderiam ou não ajudar. No entanto, depois que ela descobriu que ele saiu para falar com Ozai, Suki contou a Mai sobre as viagens noturnas de Zuko, pedindo-lhe para falar com ele na esperança de ajudá-lo. No entanto, quando Mai terminou com ele durante a conversa, Suki se sentiu culpada e confessou que estava seguindo Zuko. Ela se desculpou com Zuko e, enquanto se ajoelhava diante do Senhor do Fogo, disse a ele que as Guerreiras Kyoshi estavam preocupadas com ele e que ela, principalmente, estava preocupada com ele também e estendeu a mão para pegar sua mão antes de ser interrompida pelo General Mak.

No dia da batalha por Yu Dao, Suki viajou para a Academia Beifong de Dobra de Metal em um balão de guerra da Nação do Fogo para obter a ajuda de Toph e Sokka, explicando que ela descobriu a localização deles quando Kunyo reclamou com o Senhor do Fogo sobre uma "garota suja" e um "selvagem da neve" assumindo sua escola. Suki convenceu Toph e Sokka a irem com ela para tentar impedir o Exército da Nação do Fogo de chegar a Yu Dao, explicando seu plano a eles após pousarem perto da procissão militar. Por ordem de Sokka, Toph dobrou um escorregador subterrâneo que os levou diretamente para baixo de um dos tanques tundra, e o trio rapidamente assumiu o controle do tanque. Suki expressou seus sentimentos de preocupação com o bem-estar de Zuko, afirmando que ele parecia solitário. No entanto, apesar de seu desejo de falar com ele, ela não teve chance, eventualmente se juntando à luta contra a Nação do Fogo com Toph ao seu lado. Assim que a dupla estava começando a ficar sobrecarregada, os alunos de dobra de metal de Toph de repente chegaram para ajudá-las.

Personalidade Editar

Suki e duas Guerreiras Kyoshi

Autoconfiante e durona, Suki zombou de Sokka por sua atitude chauvinista.

Adequando-se a sua posição como líder das Guerreiras Kyoshi de sua aldeia, Suki era dura, assertiva e não tinha medo de falar o que pensava. Uma mulher de ação, ela rapidamente capturou o diretor da prisão enquanto Sokka e Zuko debatiam como fazer isso, solicitando a aprovação de Hakoda. Ela tinha um senso de humor seco, como evidenciado quando zombou sarcasticamente de Sokka quando ele se gabou de sua destreza de luta na época, falhou em cunhar um apelido humorístico às custas de Ozai e ocasionalmente sentiu vergonha com o humor pastelão de Sokka. Ela ocasionalmente demonstrou ciúme, como sua expressão irritada quando Sokka a silenciou enquanto assistia aos Atores da Ilha Ember.

Ao mesmo tempo, Suki tinha um espírito compassivo e leal, e seu lado mais suave era frequentemente visto em suas interações com Sokka. Ela conseguiu convencer Appa a confiar nela, apesar de seus ferimentos graves, e ajudou a cuidar dele para recuperá-lo. Suki não era do tipo que desistia facilmente, tendo fé que Sokka viria salvá-la durante seu período de prisão em Rocha Fervente, e também não mostrou sinais de quebrar em face dos tormentos de Azula relativos a Sokka.

Suki tinha um forte senso de dever e estava totalmente comprometida com as tarefas que lhe foram confiadas, incluindo proteger Appa e guardar o Senhor do Fogo após a Guerra dos Cem Anos. Ela também era ferozmente protetora daqueles com quem ela se importava, fazendo um grande esforço para garantir a segurança da Equipe Avatar e da família de Than enquanto eles cruzavam a Passagem da Serpente.

Habilidades Editar

Combate corpo a corpo Editar

Batalha de Suki e Ty Lee

Suki lutou contra Ty Lee na gôndola de Rocha Fervente.

Apesar de não ser dobradora, Suki era mais do que capaz de se controlar em uma luta. Ela era uma lutadora corpo a corpo impressionante, enfrentando outros lutadores habilidosos como Ty Lee e evitando prontamente seus ataques incapacitantes com pontos de pressão. Durante a fuga de Rocha Fervente, ela contornou um tumulto em grande escala saltando sobre o topo das cabeças dos desordeiros e escalando a face vertical de um edifício, demonstrando uma habilidade acrobática que rivaliza com a de Ty Lee.

Após a Guerra dos Cem Anos, Suki aprendeu o bloqueio de chi com Ty Lee e mais tarde demonstrou a habilidade pela primeira vez em San.

Suki também foi uma professora eficaz, passando alguns de seus métodos de luta para Sokka em um curto período de tempo. Ela também ajudou a treinar Giya em autodefesa, além de ensinar o bloqueio de chi aos não dobradores da força policial de Cranefish Town

Proficiência com armas Editar

Suki era adepta da luta com os leques de guerra tradicionais de Guerreira Kyoshi e também era habilidosa com a katana. Ela foi a última Guerreira Kyoshi a ser capturada por Azula, mostrando a extensão de sua habilidade.

Outras habilidades Editar

Suki possuía uma força física considerável, capaz de nadar facilmente com a armadura completa de Guerreira Kyoshi e jogar de lado um homem adulto com facilidade. Ela também parecia ter afinidade com a operação de veículos, pilotando uma aeronave da Nação do Fogo e um tanque de tundra sem qualquer experiência anterior.

Trivia Editar

  • Jessica Jade Andres recebeu o papel de Suki na adaptação cinematográfica de M. Night Shyamalan, O Último Mestre do Ar. Ela e as Guerreiras Kyoshi foram retiradas do filme porque Shyamalan acreditava que estava inadvertidamente deixando o filme girar em torno das guerreiras. Para corrigir isso, elas foram removidas inteiramente. No entanto, elas estão presentes na novelização do filme, mangás e videogames, todos lançados antes de as guerreiras serem oficialmente retiradas do filme.
  • Foi revelado que Sokka nunca contou a Suki toda a história sobre Yue. No entanto, ele mencionou Yue para ela, usando o incidente que aconteceu para justificar sua natureza superprotetora.
  • Ao final da série, Suki permaneceu como o único membro humano da Equipe Avatar a não ter feito uma "viagem de campo" com Zuko.
  • Suki era originalmente uma das personagens que nunca mais apareceria depois de "As Guerreiras de Kyoshi", mas devido à sua popularidade entre a equipe e os fãs, ela voltou para os Livros Dois e Três, e tornou-se oficialmente um membro da Equipe Avatar.
  • Os criadores brincaram no San Diego Comic Con de 2006 que Suki uma vez namorou o garoto da boca espumante, mas isso não é considerado canônico.
  • Suki foi uma das poucas pessoas a escapar de Rocha Fervente.
  • O nome de Suki na versão russa de Avatar: A Lenda de Aang é pronunciado como "su'juki" nas duas primeiras temporadas e como "zuki" na terceira temporada. Isso foi feito para evitar a pronúncia original "suki" porque soa igual à palavra russa "суки", que se traduz em um palavrão.
  • Suki foi o único personagem a permanecer com o grupo, enquanto Haru, Teo, O Duque, Hakoda e Chit Sang foram separados deles quando Azula atacou o Templo do Ar do Oeste.
  • Suki é o único membro da Equipe Avatar original que não apareceu nem foi mencionada em A Lenda de Korra fora da sequência de abertura do primeiro episódio, que descreve a equipe em sua totalidade.
  • Tsuki é a palavra japonesa para lua, semelhante a como Yue significa lua em chinês. Além disso, Tsuki e Yue são escritos como "月".
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.