Avatar Wiki
Advertisement

Visão geral[]

Na ilha misteriosa, Aang procura orientação das suas vidas passadas, mas elas insistem que ele tem de tirar a vida ao Senhor do Fogo Ozai. Descobre-se que a ilha é uma sábia tartaruga leão que fornece a Aang conhecimentos antigos de uma arte esquecida, o domínio da energia. Entretanto, depois de June não conseguir encontrar o Avatar, Zuko decide encontrar o seu tio, e a Equipa Avatar encontra a Ordem do Lótus Branco, cujo líder é Iroh. Depois de se reunir com Iroh, a equipa decide separar-se e ir em direcções diferentes para ajudar a deter a Nação do Fogo. O Cometa de Sozin chega e o Rei Fénix Ozai prepara-se para destruir o Reino da Terra.

Sinopse[]

Numa taberna do Reino da Terra, Zuko convence a caçadora de prémios, June, a usar a sua shirshu, Nyla, para localizar o desaparecido Aang usando o cheiro do seu cajado. No entanto, a shirshu não consegue localizá-lo e June explica que Aang "desapareceu". Sokka pergunta se Aang está morto, ao que June esclarece que ele não está morto, apenas não existe.

Recém-despertados numa ilha estranha no meio do mar, Aang e Momo perguntam-se onde estão, deduzindo que não estão no Mundo dos Espíritos porque o primeiro ainda consegue dobrar-se. Ele decide subir ao topo da ilha para ver se descobrem alguma coisa.

Zuko, percebendo que o grupo não seria capaz de encontrar Aang, chega à conclusão de que a única outra pessoa que poderia derrotar Ozai é Iroh. Ele traz a sandália rançosa de Iroh como uma amostra do cheiro para Nyla rastrear. Nyla foge para encontrar a fonte e a Equipa Avatar segue Appa, acabando por ser levada até à muralha exterior de Ba Sing Se, depois de um dia de viagem. Decidem acampar durante a noite e recomeçar ao amanhecer. Mais tarde, o grupo é acordado pelo fogo que rodeia o seu acampamento. Vários velhos mestres, Jeong Jeong, Piandao, Pakku e Bumi, aparecem e cumprimentam-nos.

Ao vaguear pela ilha, Aang encontra um grande símbolo hexagonal no chão e, incapaz de o dobrar, deduz que não é feito de rocha ou de terra normal. Perdido em pensamentos, Aang decide contactar Roku, na esperança de que ele saiba onde fica este lugar. No entanto, Roku confessa-lhe que não faz a mínima ideia de onde estão, mas vê que Aang está frustrado por saber que tem de matar o Senhor do Fogo para acabar com a Guerra dos Cem Anos. Roku confessa que a sua própria perspetiva disciplinada de ser o Avatar foi, em última análise, o que causou a Guerra, uma vez que poupar o Senhor do Fogo Sozin custou a vida a Roku. Roku diz a Aang que ele deve ser decisivo e desaparece.

O grupo e a ordem abraçam-se, com Pakku a revelar que está noivo de Sokka e da avó de Katara. Toph pergunta porque é que estão rodeados de velhos, e eles revelam que são membros da Ordem do Lótus Branco, uma organização secreta centrada na beleza e na filosofia, e que foram chamados a Ba Sing Se por Iroh, o Grande Lótus. O grupo exclama que está à procura dele e os mestres concordam em levá-los até ele. Bumi repara que falta alguém importante ao grupo e pergunta pelo paradeiro de Momo, ao que Sokka responde que ele e Aang estão desaparecidos. Afirmando que Aang e Momo ficarão bem "desde que se tenham um ao outro", Bumi continua a levar os outros para o acampamento do Lótus Branco para encontrar Iroh.

De volta à ilha, Aang pede sabedoria à Avatar Kyoshi. Ela recorda o seu encontro com Chin, o Conquistador, separando a Ilha Kyoshi do continente para deter Chin, causando inadvertidamente a sua morte. Aang argumenta que, tecnicamente, ela não matou Chin, mas Kyoshi diz a Aang que não vê diferença e que ela própria o teria matado para manter o mundo em equilíbrio. Ela diz a Aang que só a justiça trará paz e desaparece. Agitado com a resposta dela, Aang deseja nunca ter pedido sabedoria a Kyoshi.

No caminho de regresso ao acampamento, Bumi revelou que tinha libertado sozinho a cidade de Omashu durante o Dia do Sol Negro. Com uma incrível demonstração de domínio da terra, libertou-se da sua jaula e expulsou os edifícios da Nação do Fogo, rindo e comendo rebuçados enquanto lançava a gigantesca estátua de Ozai para fora da cidade. Os soldados da Nação do Fogo ficaram impotentes por causa do eclipse e fugiram impotentes. Bumi pergunta aos outros se fizeram alguma coisa de interessante no dia do eclipse; Zuko e Sokka olham-se desajeitadamente e dizem que não fizeram nada.

Aang olha para dentro de si e chama o Avatar Kuruk para obter sabedoria. Kuruk explica que, durante o seu tempo como Avatar, ele era descontraído e deixava as quatro nações resolverem os seus próprios problemas. No entanto, Koh, o Ladrão de Rosto, castigou Kuruk pela sua preguiça, arrastando o seu amor Ummi para o Mundo dos Espíritos. Kuruk culpa-se pelo que lhe aconteceu e diz a Aang que ele tem de moldar ativamente o seu próprio destino, bem como o destino do mundo. Quando Kuruk desaparece, Aang desespera por três das suas vidas passadas lhe estarem a dizer para fazer o que ele não quer fazer.

O grupo chega ao acampamento do Lótus Branco e Zuko é levado à tenda de Iroh. Ele senta-se em frente à tenda, envergonhado e preocupado com o facto de Iroh o odiar pela sua traição. Katara senta-se e conforta-o, acreditando que Iroh perdoaria Zuko se ele estivesse verdadeiramente arrependido. Zuko entra na tenda e encontra o tio a dormir, a ressonar alto. Com um sorriso irónico e afetuoso, senta-se para esperar que Iroh acorde.

Ao interagir com Momo, Aang pensa que, uma vez que as três vidas passadas a quem perguntou não eram Nómadas do Ar, não podem compreender corretamente a sua posição. Ele convoca a anterior Avatar Nómada do Ar, Yangchen, para lhe pedir sabedoria sobre o que deve fazer. Embora ambos concordem que toda a vida é sagrada, Yangchen insiste que, como Avatar, ele tem o dever de proteger o mundo. Aang argumenta que os monges o ensinaram a desligar-se do mundo para que o seu espírito possa ser livre para alcançar a iluminação espiritual, mas Yangchen contrapõe que o Avatar é incapaz de se desligar do mundo, pois é o único dever do Avatar, e insiste que Aang deve fazer o que for preciso para o proteger. Depois de ela desaparecer, Aang lamenta a Momo que não tem outra escolha senão matar Ozai.

Na manhã seguinte, Iroh acorda e encontra Zuko à sua espera. Zuko pede desculpa, em lágrimas, por tudo o que fez, mas antes que possa perguntar como se pode redimir, Iroh agarra-o e abraça-o, surpreendendo Zuko. Com lágrimas nos olhos, Iroh afirma que nunca esteve zangado com o sobrinho, mas que tinha medo que ele se tivesse perdido. Zuko admite que sim, mas Iroh afirma que o reencontrou e que o fez sozinho. Quando menciona que está muito feliz por Zuko ter encontrado o caminho para o acampamento, Zuko brinca dizendo que não foi assim tão difícil porque Iroh "tem um cheiro muito forte".

Quando começa um novo dia, Aang acorda e vê montanhas ao longe a aproximarem-se, apercebendo-se de que a própria ilha se está a mover. Ele nada em torno do lado da ilha e, ao ver um braço gigante a remar, compreende que a ilha é um animal marinho gigantesco e começa a nadar em direção ao seu rosto.

No acampamento, a Equipa Avatar toma uma refeição com Iroh. Zuko pede a Iroh para parar o Senhor do Fogo, uma vez que Aang está desaparecido, mas Iroh diz que não tem a certeza de conseguir derrotar Ozai. Ele também acredita que não seria a maneira correcta de terminar a Guerra, pois a história só a veria como "mais violência sem sentido" e um irmão a matar um irmão por poder, e que só o Avatar deveria derrotar o Senhor do Fogo. Iroh rejeita a sua reivindicação ao trono e diz a Zuko que ele deve tomar o lugar de Ozai como Senhor do Fogo para parar a Guerra. Iroh acredita que Zuko finalmente restaurou a sua própria honra e que o seu destino é restaurar a honra da Nação do Fogo, enquanto que o seu próprio destino é reclamar Ba Sing Se em nome do Reino da Terra. Zuko tem de enfrentar a sua irmã Azula antes de reclamar o trono, e Iroh insiste que ele não o pode fazer sozinho. Zuko pede a Katara para ir com ele para a Nação do Fogo e ela aceita de bom grado. Sokka, Suki e Toph planeiam intercetar as frotas aéreas da Nação do Fogo e ajudar Aang se ele precisar. Iroh e o resto dos membros do Lótus Branco despedem-se dos dois grupos; Zuko e Katara no Appa, e Sokka, Suki e Toph num cão de caça com enguias. Quando Zuko pergunta a Iroh o que é que ele vai fazer depois de reconquistar Ba Sing Se, Iroh responde dizendo que vai reabrir a sua loja de chá, o Dragão de Jasmim, e jogar Pai Sho todos os dias.

Aang descobre que a ilha que nada é uma tartaruga leão, que pára de nadar e levanta Aang para a sua pata. Aang pede-lhe sabedoria sobre como parar o Senhor do Fogo sem lhe tirar a vida. A tartaruga-leão responde: "A verdadeira mente pode resistir a todas as mentiras e ilusões sem se perder. O verdadeiro coração pode resistir ao veneno do ódio sem se magoar. Desde o início dos tempos, a escuridão prospera no vazio, mas cede sempre à luz purificadora." A tartaruga leão levanta uma pata, as suas duas garras tocam no peito e na testa de Aang, fazendo com que uma luz verde se ilumine. Aang não entende as palavras da tartaruga, mas é confortado por essa sabedoria. Ele é deixado em terra e espera pela chegada do Senhor do Fogo Ozai.

À medida que a noite cai, as frotas aéreas da Nação do Fogo lideradas por Ozai preparam-se para partir e observam enquanto o Cometa Sozin entra na atmosfera da Terra. Aang observa ansioso enquanto o céu se torna vermelho-alaranjado, pronto para salvar o mundo.

Advertisement