FANDOM


Emblema do Reino da Terra

Este artigo é sobre a organização. Você pode estar procurando pelo episódio com o nome semelhante, veja As Guerreiras de Kyoshi.

As Guerreiras Kyoshi são uma ordem de mulheres guerreiras com o nome do Avatar Kyoshi, que as fundou para proteger sua terra natal, a Ilha Kyoshi. Cada aldeia da ilha tinha seu próprio bando de guerreiras. Com seu estilo de luta único e individual, essas lutadoras de elite garantiram a segurança e o isolacionismo de sua terra natal durante a Guerra dos Cem Anos. No entanto, quando o Avatar Aang visitou a ilha no final de 99 DG, ele inspirou um grupo de guerreiras, lideradas por Suki, a viajar para o Reino da Terra e ajudar os indefesos lá. Apesar da maioria dos membros deste grupo terem sido presas pela Nação do Fogo após uma luta perdida contra a equipe da Princesa Azula, Suki foi mais tarde libertada e ajudou a acabar com a guerra como parte da Equipe Avatar. Após a guerra, as Guerreiras Kyoshi de Suki continuaram seu serviço, e em 101 DG, elas se ofereceram para se tornarem as guarda-costas do Senhor do Fogo.

Embora seu estilo de luta e roupas imitem os do Avatar Kyoshi, elas aparentemente não implementaram nenhuma das artes de dobra em seus movimentos físicos. Elas estão vestidas com quimonos verdes, blindados e ornamentados, adereços de cabeça de metal e maquiagem branca projetada para intimidar os oponentes. As Guerreiras Kyoshi usavam leques de metal como suas armas principais, como o Avatar Kyoshi, mas também implementaram katanas e escudos retráteis. O estilo de luta mais proeminente das guerreiras não era sobre força, mas sim sobre usar a força de seus oponentes contra eles. Primeiramente, as guerreiras lidavam com os comerciantes e viajantes desordenados que, após uma noite de farra no porto de Kyoshi, muitas vezes apareciam na aldeia e causavam problemas.

História Editar

História antiga Editar

Kyoshi e suas guerreiras

Kyoshi estabeleceu as Guerreiras Kyoshi para proteger as mulheres de sua ilha e suas casas.

Antes da separação da Ilha Kyoshi do continente do Reino da Terra, o Avatar Kyoshi testemunhou mulheres sendo maltratadas por homens turbulentos. Frequentemente, ela defendeu as mulheres no mercado à beira-mar da aldeia e se esforçou para ensiná-las o combate defensivo. Sabendo que as mulheres não-dobradoras não podiam confiar na força bruta como costumava fazer, Kyoshi ensinou-lhes os estilos de luta de sua namorada Rangi, uma soldado de elite do Exército da Nação do Fogo. Em poucos anos, Kyoshi reuniu um pequeno grupo de discípulas consistindo de mulheres pescadoras, tecelãs e donas de casa que eventualmente se tornaram as primeiras Guerreiras Kyoshi.

As mulheres guerreiras não gostam de treinar estranhos ou homens em seus métodos únicos de luta. No entanto, Sokka foi admitido no grupo apesar de possuir ambas as qualidades mencionadas acima com a condição de que ele tivesse que aderir a todas as tradições das Guerreiras Kyoshi femininas, incluindo o uso de seu estilo de armadura e maquiagem tradicional. Na história da organização, houve apenas alguns guerreiros do sexo masculino. A outra única pessoa de fora conhecida que se juntou a elas é Ty Lee, que nasceu na Nação do Fogo.

Guerra dos Cem Anos Editar

Zuko e as Guerreiras Kyoshi

As Guerreiras Kyoshi encurralaram o Príncipe Zuko durante sua invasão da Ilha Kyoshi.

Embora as Guerreiras Kyoshi tenham permanecido neutras por muito tempo na Guerra dos Cem Anos contra o Reino da Terra, seus ideais mudaram depois que o Avatar Aang chegou à ilha no final de 99 DG. Perseguindo o nômade do ar, o Príncipe Zuko e suas tropas atacaram a aldeia de Suki e forçaram as guerreiras a defender sua casa. Depois de repelir o ataque com a ajuda da Equipe Avatar, o bando de Guerreiras Kyoshi de Suki decidiu ajudar os militares do Reino da Terra em suas tentativas de lutar contra a Nação do Fogo. As guerreiras não entraram na linha de frente, mas serviram como guardas para as balsas para Ba Sing Se.

Desejando fazer mais, elas começaram a vagar pelo Reino da Terra e tropeçaram em Appa, que naquele momento havia se separado de Aang e ficou com medo dos humanos. As Guerreiras Kyoshi trabalharam juntas para ganhar a confiança do bisão voador e limpá-lo, com a intenção de reuni-lo com seu dono. Antes que elas pudessem fazer isso, no entanto, elas foram descobertas pela equipe de Azula. As Guerreiras Kyoshi imediatamente se agruparam para defender Appa, sacrificando sua própria liberdade a fim de dar a Appa tempo suficiente para escapar da captura pelas mãos da Princesa Azula, Mai e Ty Lee.

Em Ba Sing Se, Azula, Mai e Ty Lee se infiltraram na cidade disfarçadas de membros das Guerreiras Kyoshi. As verdadeiras Guerreiras Kyoshi foram presas após sua derrota. As Guerreiras Kyoshi foram enviados para a Prisão da Cidade Capital, com exceção de sua líder Suki, que foi levada para a Prisão de Rocha Fervente. Suki foi finalmente libertada por Sokka e Zuko com a ajuda de Mai.

Ty Lee e as Guerreiras Kyoshi

Ty Lee se juntou as Guerreiras Kyoshi perto do final da Guerra dos Cem Anos.

O resto das Guerreiras Kyoshi foram finalmente libertadas após o fim da Guerra dos Cem Anos, e Suki retomou seu papel como líder. Elas estavam de uniforme completo na coroação de Zuko e ainda continham uma nova membro: Ty Lee. Ela notou o vínculo que ela formou com as guerreiras enquanto elas estavam na prisão. Ty Lee também deu as Guerreiras Kyoshi algumas lições na arte de bloquear o chi.

Como guarda-costas do Senhor do Fogo Editar

Um ano após o fim da Guerra dos Cem Anos, Mai pediu ajuda ao bando de Guerreiras Kyoshi de Suki para a segurança do Palácio Real da Nação do Fogo após uma série de tentativas de assassinato, principalmente por Kori, a filha do prefeito de Yu Dao, que havia colocado em evidência a ineficiência dos guarda-costas do palácio.

As Guerreiras Kyoshi foram encarregadas por Zuko de supervisionar Azula quando ela estava conversando com seu pai, e elas foram rápidas em intervir quando ela atacou seu irmão. Elas deixaram seu posto no inquérito de Zuko, no entanto, porque ele queria dar um pouco de privacidade à sua família. Elas continuaram a escoltar o Senhor do Fogo, garantindo sua segurança nos jardins do palácio, e seguiram suas ordens. Depois que Zuko saiu com Azula e parte da Equipe Avatar, elas permaneceram no Palácio Real da Nação do Fogo para ajudar o Senhor do Fogo interino, Iroh. Enquanto na Nação do Fogo, o bando de Guerreiras Kyoshi de Suki cresceu em número, expandindo para incluir pelo menos dez membros.

Guerreiras Kyoshi vs Sociedade de Nova Ozai

Suki e suas Guerreiras Kyoshi defenderam Zuko e sua família de uma emboscada da Sociedade de Nova Ozai.

Depois de avisar Zuko de uma emboscada iminente da Sociedade de Nova Ozai poucas horas antes de seu retorno à capital, Suki se encontrou com o Senhor do Fogo e sua família perto de uma rota secreta que levava ao Palácio Real. De lá, Suki e várias outras Guerreiras Kyoshi escoltaram a família real até seu destino enquanto Iroh agia como isca na estrada principal. Seu plano falhou, no entanto, como o leal a Ozai, que deu as Guerreiras Kyoshi informações falsas sobre seus planos, cercou a comitiva do Senhor do Fogo e atacou. Embora inicialmente oprimidos pela sociedade, as Guerreiras Kyoshi e Zuko foram capazes de inclinar a balança a seu favor quando reforços na forma de outro esquadrão de Guerreiras Kyoshi lideradas por Ty Lee vieram em seu auxílio. Após o fim da batalha, as guerreiras foram formalmente agradecidas pelo Senhor do Fogo.

Suki e Ty Lee vigiam o Palácio Real da Nação do Fogo

As Guerreiras Kyoshi guardaram o Palácio Real da Nação do Fogo durante a crise dos Kemurikage.

Depois disso, Suki e suas companheiras continuaram a proteger o Palácio Real em meio à crescente crise de sequestros cometidos pelos Kemurikage. Quando os Kemurikage invadiram o palácio para sequestrar a irmã de Zuko, Kiyi, as Guerreiras Kyoshi junto com o Senhor do Fogo e Aang tentaram impedi-los. Embora eles não pudessem resgatar Kiyi, foi revelado que os alegados Kemurikage eram na verdade um grupo militante liderado por Azula. Suki, Ty Lee e Aang posteriormente investigaram o Palácio Real, descobrindo uma passagem secreta para o Jardim das Almas Tranquilas. Depois que a crise foi resolvida, as Guerreiras Kyoshi estiveram presentes no discurso de Zuko ao seu povo, no qual ele se desculpou por seus erros ao lidar com o incidente Kemurikage.

Treinando a Polícia de Cranefish Town Editar

Depois que Suki ensinou vários não-dobradores a bloquear o chi para afastar os dobradores supremacistas, o restante das Guerreiras Kyoshi foram solicitadas pelo Avatar Aang a vir para Cranefish Town também para ajudar a dissolver as tensões entre seus residentes dobradores e não-dobradores.

Vestiário Editar

As Guerreiras Kyoshi vestiam-se com um adorno de metal na cabeça, quimonos verdes fortemente blindados e usavam tinta facial enquanto trabalhavam. Este uniforme foi projetado para assemelhar-se ao traje que Avatar Kyoshi usou durante sua vida, bem como sua pintura de rosto que foi feito para intimidar os adversários. As insígnias de ouro representavam a "honra do coração de um guerreiro", e os fios de seda simbolizavam o "sangue corajoso que flui através de suas veias". Vestir esse traje é uma grande honra para os Guerreiros Kyoshi.

O uniforme de guerreira tem uma insígnia de ouro que representa a honra do coração da guerreira, e os fios de seda simbolizam o sangue valente que flui em suas veias. Elas também utilizam espadas semelhantes a katanas e escudos de pulso. Segurando os leques como extensões de seus braços, com o objetivo de transformar a força de seus oponentes contra eles, um princípio fundamental de dobra de água.

Bandana de metal Editar

Inicialmente, todas as guerreiras, exceto Suki, usavam uma simples fita verde. Durante e após a primavera de 100 DG, no entanto, as guerreiras usavam bandanas distintas e individualizadas, permitindo a discernir guerreiros específicos, como o guerreiro sem nome que estava presente com Suki e também quando abraçado por Ty Lee na coroação de Zuko.

Armas Editar

As Guerreiras de Kyoshi utilizaram uma escala larga das armas no combate, variando dos fãs simples aos katanas mortais.

Leques Editar

As Guerreiras Kyoshi usaram um conjunto de dois leques de metal tal como a Avatar Kyoshi. Empunhavam esses leques em conjunto com um estilo de luta especializado que se baseava no conceito de transformar a energia de um oponente contra eles e explorar aberturas. Esses implementos eram usados ​​para defesa, mas também podiam ser lançados como bumerangues ou arremessados como projéteis. Estes leques eram as armas primárias das Guerreiras Kyoshi e usualmente os primeiros a serem usados ​​em batalha. Mais tarde, ao ensinar Sokka sobre o caminho das Guerreiras Kyoshi, Suki disse que o leque era como uma extensão do braço.

Escudo Editar

As Guerreiras Kyoshi carregavam um escudo retrátil que poderia ser combinado para proteger a unidade inteira. Os escudos combinados eram capazes de suportar uma explosão de fogo de Azula. Eles têm semelhança com o emblema do Reino da Terra.

Katana Editar

Azula vs Suki

Suki tentou usar uma katana contra a princesa Azula durante sua luta.

Cada um das Guerreiras Kyoshi também carregava uma katana, que é uma espada longa e fina. A lâmina é moderadamente curvada e com um único gume. Embora raramente usado no combate, As Guerreiras de Kyoshi empregaram katanas ao lutar contra Azula e sua equipe da elite, onde provaram ser bem-servidos para a autodefesa e a ofensa.

Trívia Editar

  • Com a face branca, os lábios vermelhos e os acentos, e as faixas de olhos negros e testa, a sua maquiagem é um cruzamento entre dois estilos tradicionais japoneses, Geisha e Kabuki, mais dramáticos do que os primeiros, mas menos do que os últimos.
  • Os quimonos verdes são inspirados pelo teatro Kabuki.
  • Sokka é o único homem conhecido a ser treinado, de alguma forma, pelas guerreiras Kyoshi. Ele também é o único homem conhecido que já usou seu uniforme.
  • Sua maquiagem é resistente à água.
  • O uso dos leques das Guerreiras Kyoshi é semelhante ao Tessenjutsu, uma arte marcial caracterizada pelo uso de leques de combate.
  • Seu armamento é semelhante ao do guerreiro samurai, tornando-os um dos poucos grupos em Avatar: A Lenda de Aang a ser baseado na cultura japonesa; Por exemplo, as katanas são usadas principalmente pelo samurai.
  • Todos os membros conhecidos das guerreiras Kyoshi são não-dobradores, exceto para Avatar Kyoshi, sua fundadora.
  • Embora exista uma grupo de guerreiras Kyoshi em cada aldeia na Ilha Kyoshi, a única divisão que foi vista é a que protegeu a vila de Oyaji, liderada por Suki.

Veja também Editar

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.