Avatar Wiki
Advertisement

Tarrlok usando Dobra de Sangue em Korra

A Dobra de Sangue é uma sub-habilidade de Dobra de Água que permite que ao dominador tomar e manipular os vários fluidos dentro do corpo de um organismo. Esta técnica é referida como a mais sombria, mais poderosa e mais temida de todas as técnicas de dobra e é a única arte conhecida que põe em perigo o estado mental do usuário.

A técnica foi descoberta por uma jovem mestre de água chamada Hama (A mesma que ``ensinou´´ Katara, a usar a sub-dobra de sangue) enquanto ela estava detida em uma prisão projetada pela Nação do Fogo especificamente para conter dominadores de água. Durante sua detenção, ela concluiu que toda a vida contém água e passou a desenvolver o conhecimento e as habilidades da arte praticando em ratos elefantes.

As formas e os estilos usados pelos dobradores de sangue assemelham-se a como um titiriteiro controla uma marionete. Considerando que o uso de dobra de água movimentos fluindo com os braços, a dominação de sangue parece exigir uma forma mais rígida e abrupta de movimento, destacando ainda mais como é diferente das formas primárias de dobra de água e sua outra sub-habilidade, a cura.

Devido à sua natureza extrema, apenas um punhado de dominadores demonstraram a capacidade de dobrar sangue. A técnica é considerada uma arte sombria e raramente é usada em combate pela maioria dos dominadores de água. A complexidade e sofisticação necessárias para realizar a arte geralmente só permite seu uso durante a lua cheia, quando a potência de um dominador de água está em seu pico absoluto. Yakone, Tarrlok e Amon eram os únicos dobradores de água conhecidos capazes de executar a dobra sem o auxílio da Lua cheia; No entanto, eles também são os únicos conhecidos por ter extensivamente e rigidamente treinados na arte. Yakone e Tarrlok tiveram suas habilidades de dobra removidas, o que deixou Amon como o único dobrador conhecido capaz de se dobrar sangue sem lua cheia até sua morte. Yakone e Amon eram também os únicos dominadores conhecidos capazes de dobrar sangue somente com a mente.

A dobra de sangue é aplicado com pouca frequência às atividades diárias. O conhecimento da arte tornou-se eventualmente conhecido ao público, e a prática foi proibida devido aos esforços de Katara que seguiram a formação de Cidade República.

História[]

Descoberta[]

Depois de ser capturada durante uma das incursões da Nação do Fogo com o objetivo de enfraquecer a Tribo da Água do Sul, Hama, juntamente com seus companheiros de dominadores de água, foi enviada para uma prisão de segurança máxima na Nação do Fogo projetada especificamente para manter dobradores de sua espécie. Lá, os guardas foram cautelosos em fornecer aos prisioneiros o mínimo de qualquer forma de substância dobrável que pudessem utilizar para fazer uma represália, indo tão longe quanto acorrentar os membros dos prisioneiros antes que eles pudessem beber e usar um castigo cruel a qualquer sinal de resistência. Apesar do desamparo que enfrentou enquanto estava presa, Hama foi capaz de sentir o enriquecimento proporcionado a ela pela lua cheia.Ela começou a elaborar um plano que levaria à sua fuga e finalmente percebeu que os ratos elefantes constantemente correndo ao redor do fundo de sua gaiola estavam cheios de água dominável. Após a chegada da lua cheia seguinte, Hama tentou tomar conta dos fluidos dentro de uma das criaturas e conseguiu, realizando com sucesso a dobra de sangue pela primeira vez. Nos meses seguintes, reforçada pela lua cheia, ela continuou a desenvolver a técnica, dominando-a a um ponto em que ela poderia efetivamente controlar o movimento de uma horda inteira de ratos. Durante a lua cheia seguinte, Hama usou dobras de sangue para controlar um guarda de passagem, forçando-o a abrir sua gaiola e permitir que ela escapasse. Hama saiu livre pela primeira vez em muitos anos e eventualmente se estabeleceu em uma vila perto dos arredores do arquipélago da Nação do Fogo.

Vingança[]

Enquanto estava presa, Hama desenvolveu um ódio profundo pela Nação do Fogo e jurou se vingar em todas as ocasiões possíveis. Ela criou uma prisão improvisada sob uma montanha e formulou um plano onde controlaria os desavisados ​​aldeões da Nação do Fogo e os levaria para a prisão durante a lua cheia. Ela usou essa técnica e acabou prendendo o dono de uma pequena pousada pitoresca. Hama tornou-se proprietária da pousada e conseguiu reprimir acusações de ser a responsável pelos desaparecimentos disfarçando-se de velha e doce hospedeira.

Durante uma dessas noites, ela planejou prender o velho Ding. O plano foi inicialmente bem-sucedido e Ding se sentiu impotente, pois estava "possuído" por uma força desconhecida. Ele foi levado lentamente ao topo da montanha, mas antes que pudesse ser aprisionado dentro de uma caverna, o sol começou a nascer e o poder que Hama exercia sobre ele desapareceu rapidamente. Recuperando o controle sobre seu corpo, Ding correu para longe da cena; ele permaneceu o único aldeão a evitar ser capturado pela dobradora de sangue.

Passando o conhecimento para Katara[]

Durante o verão de 100 DG, a equipe Avatar decidiu acampar perto de uma vila da Nação do Fogo. No entanto, Hama os ouviu contando histórias de terror e deduziu da história de Katara sobre Nini que eles eram da Tribo da Água do Sul e ofereceu ao grupo um lugar em sua pousada.

Ao descobrir um velho pente de dente de baleia no sótão de Hama, ela se revelou uma dobradora de água da Tribo da Água do Sul e propôs ensinar a Katara algumas técnicas originais de dobra de água da Tribo do Sul, para que ela pudesse transmitir o conhecimento dos costumes do Sul antes de sua morte, ao que Katara concordou alegremente. Katara passou o dia seguinte aprendendo várias técnicas de Hama, como dobrar a umidade do ar e a água de dentro das plantas, incluindo lírios de fogo, quando nenhum corpo de água estava presente. Hama disse a Katara que ela iria ensiná-la a última técnica de dobra de água à noite, durante a lua cheia, quando seus poderes estariam no auge. Katara estava hesitante, alegando que os aldeões haviam desaparecido durante a lua cheia, embora Hama não parecesse afetada, afirmando que dois dominadores de água sob a lua cheia não tinham nada com que se preocupar.

Naquela noite, Hama levou Katara para a floresta, onde ela explicou sua prisão e a descoberta de dobra de sangue. Katara ficou horrorizada e se recusou a aprender a arte quando Hama a incentivou. Isso irritou Hama, que usou dobra de sangue para controlar Katara. A jovem dobradora de água implorou por misericórdia, mas Hama recusou-se a libertá-la. Sentindo o poder da lua forçar sua dobra da água também, Katara aprimorou sua energia e se libertou, afirmando que sua própria dobra era mais poderosa do que a de Hama. Os dois começaram a duelar, e Katara quase imediatamente assumiu o controle. Tendo descoberto a verdade sobre Hama pelos aldeões que ela aprisionou nas profundezas da montanha, Sokka e Aang chegaram logo depois para ajudar Katara e disseram a Hama para se render, já que ela estava claramente em menor número. Hama recusou e usou dobra de sangue para controlá-los. Como uma mestre de marionetes, ela os usou para atacar Katara, embora a jovem conseguisse evitar ser atingida. Adotando uma abordagem diferente, Hama manobrou Aang em direção a Sokka, que havia erguido sua espada. Katara, em uma tentativa de salvar Aang, usou a dobra de sangue para detê-la, efetivamente quebrando o domínio de Hama sobre os meninos. Ela libertou o mais velho após a chegada de Toph e os aldeões libertados, que escoltaram Hama para fora da cena. Agora apreendido, Hama parabenizou Katara por se tornar uma dobradora de sangue, fazendo com que a jovem dobradora de água começasse a chorar.

Algum tempo depois, quando Zuko e Katara foram procurar o homem que matou a mãe de Katara, Katara, dominada pela raiva e tristeza, usou a dobra de sangue para subjugar o comandante do Atacantes do Sul, apesar de suas objeções morais contra o uso da arte sombria.

Potencial[]

Tarrlok levitando Korra

O controle e manipulação de fluidos dentro do corpo de uma pessoa pode ter muitos efeitos diferentes, por exemplo, dobra de sangue pode ser usado para esmagar os órgãos internos de uma vítima. De forma semelhante, pode ser usado para pressurizar, ferver ou arrefecer a água dentro do corpo de um oponente, matando-o no processo. Finalmente, a técnica poderia até ser usada para extrair completamente a água de um corpo, imitando a técnica usada com as plantas.

Os Dobrador Sangue são capazes de levitar suas vítimas no ar de uma maneira similar na qual o Dobrador de Água pode elevar a água. Além disso, eles podem usar essa levitação para jogar e bater suas vítimas deixando-os inconscientes. Eles também podem deixar suas vítimas inconscientes com um movimento simples de suas mãos.

Dobra de sangue psíquica[]

A dobra de sangue psíquica é a capacidade de usar dobra de sangue sem a ajuda do movimento corporal. Yakone foi o primeiro a demonstrar essa habilidade quando o usou para controlar uma sala inteira, enquanto suas mãos ainda estavam algemadas. Ele passou o conhecimento dessa técnica para seus filhos, Noatak e Tarrlok. No entanto, apenas Noatak dominou a habilidade, fazendo isso aos 14 anos de idade, podendo controlar todo um rebanho de animais selvagens ao mesmo tempo.

Remoção de dominação[]

Dobra de Sangue pode ser usado para cortar completamente as capacidades de controle de um dobrador. Esta técnica só foi demonstrada por Amon e parece requerer contato físico direto entre a mão do usuário e a testa da vítima. Os efeitos desta técnica são longos e, ao contrário do bloqueio do chi, não pode ser desfeito facilmente. no:Blodtemming

Advertisement